Como evitar o negacionismo digital com a chegada das telas nas escolas?

por EQUIPE CLOE
Publicado em 14 de dezembro de 2021.

Compartilhar

Se você vivesse em Lyon, na França, em 1895, provavelmente teria muita curiosidade sobre a exibição cinematográfica que os irmãos Lumière pretendiam fazer no Grand Café Paris. O tema não era muito divertido, era sobre a saída da Fábrica Lumière de Lyon. Mas isso não importava: aquela tecnologia “moderna” era maravilhosa e permitia às pessoas, pela primeira vez, assistir um filme gravado em que os atores estivessem em movimento.

Se você morasse nos Estados Unidos no começo dos anos 1950, a novidade dessa tecnologia não te empolgaria tanto, mas sim o conteúdo dos filmes. Na verdade, você estaria vibrando para comprar um televisor e trazer essa experiência para dentro da sua sala de estar. A tela, que estava a 15 metros de distância no cinema, agora estava a dois metros de seu sofá. No Brasil, isso se tornou realidade alguns anos depois, com a inauguração da TV Tupi.

Trinta anos mais tarde, nos anos 1980, nosso principal passatempo era assistir novelas, filmes e esportes na televisão. No meio dessa década, surgiu o computador de mesa. Eu tive um TK-85. Era um desastre tecnológico quando pensamos nos modelos atuais, mas naquela época era incrível: era possível, dentre outras maravilhas, programá-lo para repetir uma mesma palavra infinitas vezes. A tela não mais estava a dois metros: havia se aproximado para uns 50 centímetros dos nossos olhos.

Neste novo milênio, essa aproximação acelerou-se exponencialmente. Em 2003, usávamos o Blackberry, que tinha e-mail e acesso à Internet. Em 2007, há meros 15 anos, a Apple lançou o iPhone, uma junção de todas as máquinas que carregávamos para cima e para baixo: o telefone celular, o computador (com Internet), a máquina fotográfica, o walkman, o livro, o jornal etc. Tudo lá, a 20 centímetros do nosso cérebro.

Hoje em dia, vivemos num mundo completamente dominado por essa tecnologia. Pense no número de mensagens de WhatsApp que você manda todos os dias, e como se sente quando esquece o celular (na verdade, o computador de bolso) em casa. Pessoalmente, acho que me esqueci de um braço quando isso acontece!

Não somos avatares, não vivemos dentro de uma tela. Mas tudo o que fazemos integra tanto o mundo físico, quanto o digital. Interagimos com as pessoas nesses dois mundos ao mesmo tempo: enquanto tomamos um café com alguém, conversamos com várias pessoas por WhatsApp. Enquanto trabalhamos no escritório ou em casa, fazemos uma pesquisa, um documento, uma chamada ou um vídeo pelo smartphone. E fazemos todas as nossas compras e transferências financeiras por esse meio, sem sair de casa. Quem diria, há dez anos, que estaríamos nesse lugar?

Nossos filhos dão risada das “modernidades” da nossa época, assim como rimos das pessoas que se maravilhavam com o cinema dos irmãos Lumière. Nossos netos acharão as modernidades de hoje ridículas. Esse é o caminho da inovação tecnológica: cada geração é um parque de dinossauros potencial.

Seja como for, o papel da Escola é educar nossos filhos e alunos para o mundo em que eles viverão, não para aquele em que vivíamos há muito tempo, ou vivemos hojeNegar que a Revolução Digital está acontecendo é a pior solução que uma escola pode tomar. É o negacionismo digital.

Educar alunos negando que é possível encontrar instantaneamente nas máquinas todo o conteúdo didático (e que, portanto, decorá-los apenas para passar nas provas não tem utilidade), não os forma adequadamente para o futuro. Proibir a chegada das telas à sala de aula (sob o comando da professora e desde que tenha conexão com o que está sendo aprendido) não conversa com o mundo atual, nem futuro. Usar livros impressos caros, muito piores pedagogica e tecnologicamente do que plataformas digitais, e dar as mesmas aulas expositivas que os alunos encontram de graça, no YouTube, é como convencê-los de que a televisão em preto e branco é uma maravilha. Era espetacular nos anos 1950; hoje só tem seu lugar em um museu.

*Fernando Shayer é cofundador e CEO da Cloe, plataforma de aprendizagem ativa e Leonardo Bento é professor da Camino School

*Esse texto foi originalmente publicado na Bússola da Exame

Compartilhar

Embarque
nessa também!

A Era da Aprendizagem Ativa começou e há muito para se descobrir. Vamos?

Fale
com
a
Cloe